Coletores de lixo, porteiros e faxineiros de apoio à área da saúde podem ser incluídos no plano nacional de vacinação contra a Covid-19.

A solicitação foi apresentada ao presidente Jair Bolsonaro pela Federação dos Empregados em Turismo e Hospitalidade do Estado de Minas Gerais (FETHEMG), em ofício encaminhado no dia 17 de dezembro.

O objetivo é que os trabalhadores de apoio à área da saúde sejam também considerados prioritários no cronograma de vacinação, a exemplo dos porteiros, faxineiros e coletores de lixo.

A resposta chegou no dia 11 de janeiro, por meio do Gabinete da Presidência da República, tendo como porta voz a chefe substituta, Lúcia Galdino Chaves. E acendeu as esperanças nos dirigentes da FETHEMG.

De acordo com ela, “Pela natureza do assunto, a referida correspondência (o ofício da Federação) foi encaminhada ao Ministério da Saúde, bem como à Casa Civil”.

Para o presidente da FETHEMG, Paulo Roberto da Silva, já é uma vitória a ser comemorada o fato de o Gabinete da Presidência da República ter se manifestado a respeito e acionado os demais órgãos para analisar o pedido.

“Significa que conseguimos sensibilizá-los. Os serviços de asseio e conservação e limpeza urbana foram reconhecidos como essenciais no combate à Covid-19 e esses trabalhadores continuam, desde então, na linha de frente no enfrentamento à pandemia”, destacou.

Segundo Paulo Roberto, a FETHEMG e entidades filiadas continuam mobilizadas e fazendo gestões junto às autoridades para que a solicitação seja acatada. “A esses trabalhadores deveria se dar a primeira prioridade, pois não há serviço essencial que funcione minimamente adequada sem a participação deles”, conclui o dirigente sindical.

Paulo Roberto é também presidente da UGT-MG e do SINDEAC – Sindicato dos Empregados em Edifícios e Condomínios, em Empresas de Prestação de Serviços em Asseio, Conservação, Higienização, Desensetização, Portaria, Vigia e dos Cabineiros de Belo Horizonte.