O presidente do Sindeac, Paulo Roberto da Silva, recebeu na tarde de terça-feira, 10/12, a visita da dona Maria Zirva Gonçalves, de 57 anos. Ela é viúva de Levi Lourenço Bispo, porteiro que morreu em 10 de setembro, aos 58 anos, vítima de ataque cardíaco. Dona Maria foi receber o auxílio funeral no valor de R$ 5 mil, oferecido gratuitamente pelo Sindeac a todos os trabalhadores de edifícios e condomínios de Belo Horizonte, associados ou não ao sindicato.

O benefício está previsto na Convenção Coletiva de Trabalho, por meio do Programa de Assistência Familiar e Auxílio Funeral PAF), e inclui titulares, cônjuges e dependentes legais.

O auxílio funeral entrou em vigor em 1º de setembro deste ano e dona Maria foi a primeira beneficiada. Vários outros pedidos á stão sendo analisados pelo Sindeac. Ela diz que a ajuda veio em boa hora.

“A gente tem tanta preocupação neste momento. Agradeço todo o apoio que recebi do Sindeac”,  comentou a viúva, que ficou sabendo do benefício por meio do administrador do condomínio onde o marido trabalhava.

“O objetivo do Sindeac é apoiar os trabalhadores e ajudar suas famílias a diminuir algumas de suas preocupações em momentos difíceis e de dor como esse”, enfatizou o presidente do sindicato, Paulo Roberto da Silva.

Dona Maria e Levi fariam 38 anos de casados em setembro deste ano, poucos dias após a morte dele. Além das quatro filhas legítimas (Marinalva, Marilene, Graziele e Regiane – todas adultas e já casadas) o casal adotou dois filhos com deficiência: Camily, hoje com 16 anos, e Kleber, com 21 anos. Os dois são irmãos e foram adotados quando ainda eram crianças. Uma história bonita, de solidariedade, amor e compaixão.

O auxílio funeral é pago pelo Sindeac em caso de morte do empregado de edifícios e condomínios, por qualquer causa, com o contrato de trabalho em vigor. O valor de R$ 5 mil é repassado aos beneficiários em três parcelas: uma de R$ 3 mil e duas de R$ 1 mil cada, mediante a apresentação da documentação solicitada pelo Sindeac.